Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

TEXTOS EM PROSA

Textos pessoais em prosa, excertos de livros, comentários a certo tipo de imprensa etc.

TEXTOS EM PROSA

Textos pessoais em prosa, excertos de livros, comentários a certo tipo de imprensa etc.

Adriana Trigiani, Doce Valentine li-US Alan Spence , A Terra Pura li-GB Ana Fuder, Todo o Meu Ser li-AU Andrea Vitali, A filha do regedor li-IT André Malraux , A esperança li-FR Antonio Cabanas, O ladrão de túmulos  li-ES Antonio G. Iturbe, A Bibliotecária de Auschwitz  li-ES António Garrido, A escriba li-ES Arturo Pérez-Reverte, A Sombra da Águia;  Clube Dumas Corsários do levante;  O cemitério dos barcos sem nome; Clube Dumas;  Sol de Breda li-ES Barbara Quick, As (...)
No Campus de edifícios baixos de betão, nos subúrbios da "cidade" medieval de York (não maior do que uma vila), eu transmitia a aparência de uma criatura mundana e sofisticada, uma londrina, criada no coração da cidade,  confiante, a respirar segurança e originalidade. Por dentro, medo, incerteza, constrangimento social.    Atravessava a passagem subterrânea, emergindo em Marble Arch, e (...)
Capítulo 6 Ela deslocara-se a Inglaterra para o procurar. Encontrava-se só. Lawrence fora o melhor amigo do pai. «Se me acontecer alguma coisa, vai ter com o Lawrence Stern», recomendara. «Estou certo de que te ajudará». Agora, morrera, assim com a mãe, ceifada pela epidemia subsequente à guerra que flagelara toda a Europa.
Capítulo 33 -Tchuma. A peste - disse ele em inglês, com repugnância. Em russo acrescentou: - estará morto antes do anoitecer. - Tirou-lhe o dinheiro e voltou a guardá-lo no próprio bolso. Peste. A mera palavra causou-lhe arrepios. Tinha ouvido Alfred falar nela. Dizia que tinha começado no exército e que, aquando da derrota dos senhores da guerra, os soldados tinham fugido para as suas aldeias, espalhando a doença como um rastilho de pólvora.   Capítulo 34Ele estava (...)
Parte II A partir de agora, pode-se dizer que a peste era a preocupação de todos nós. Até agora, por mais surpreendido que tenha sido com as coisas estranhas que aconteciam à sua volta, cada cidadão individualmente cuidava dos seus afazeres como sempre, na medida do possível. E sem dúvida  continuaria a fazer isso. Mas uma vez que os portões da cidade tinham sido fechados, todos nós percebemos que todos, inclusive o narrador, estavam no mesmo barco, por assim dizer, e cada um (...)
Capítulo 221957 Outros admitiam para si mesmos que sentiam um certo alívio com a ideia do fim de Spinalónga. A quantidade de homens e de mulheres doentes do outro lado da água sempre os tinha preocupado e, apesar de saberem que esta doença era menos contagiosa do que muitas outras, continuavam a temê-la como se fosse a peste bubónica. Estas pessoas mantinham a mente fechada ao facto de (...)
Arkady ArtamenkovAs horas mais significativas da vida de Arcady Alexandrovitch Artamenkov tinham tido lugar dois anos antes, quando a chuva fria, pesada e persistente enchia o milhão de buracos das ruas de Sampetersburgo com uma lama espessa e amarela e o ar sabia mais a corrosão do que era habitual. Atrasado, silencioso, por barbear chapinhara pelas ruas secundárias até ao café designado --- um lugar que abrira recentemente, um pouco acima da Estação da Moscovsky, perto da Casa da (...)
Isabella GloverDesta vez, pensou Isabella, seria ela a enviar uma mensagem de texto a Molly --- a caminho do Veselka --- só para verificar. Iria comprar chá e o que Molly quisesse, e levaria tudo para casa dela. Um pequeno almoço civilizado antes de trabalhar, algumas mentiras acerca da sua caldeira estar avariada --- e depois um banho (oh Deus, sim, um banho, em vez daquele chuveiro gota a gota) na magnífica banheira de Molly. E, oh, merda, era bom que se lembrasse de telefonar à (...)