Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

TEXTOS EM PROSA

Textos pessoais em prosa, excertos de livros, comentários a certo tipo de imprensa etc.

TEXTOS EM PROSA

Textos pessoais em prosa, excertos de livros, comentários a certo tipo de imprensa etc.

Adriana Trigiani, Doce Valentine li-US Alan Spence , A Terra Pura li-GB Ana Fuder, Todo o Meu Ser li-AU Andrea Vitali, A filha do regedor li-IT André Malraux , A esperança li-FR Antonio Cabanas, O ladrão de túmulos  li-ES Antonio G. Iturbe, A Bibliotecária de Auschwitz  li-ES António Garrido, A escriba li-ES Arturo Pérez-Reverte - ES, A Sombra da Águia; Clube Dumas;Corsários do levante; O cemitério dos barcos sem nome; Sol de Breda (5) Barbara Quick, As Vingens de (...)
No Campus de edifícios baixos de betão, nos subúrbios da "cidade" medieval de York (não maior do que uma vila), eu transmitia a aparência de uma criatura mundana e sofisticada, uma londrina, criada no coração da cidade,  confiante, a respirar segurança e originalidade. Por dentro, medo, incerteza, constrangimento social.    Atravessava a passagem subterrânea, emergindo em Marble Arch, e (...)
Capítulo 6 Ela deslocara-se a Inglaterra para o procurar. Encontrava-se só. Lawrence fora o melhor amigo do pai. «Se me acontecer alguma coisa, vai ter com o Lawrence Stern», recomendara. «Estou certo de que te ajudará». Agora, morrera, assim com a mãe, ceifada pela epidemia subsequente à guerra que flagelara toda a Europa.
Capítulo 33 -Tchuma. A peste - disse ele em inglês, com repugnância. Em russo acrescentou: - estará morto antes do anoitecer. - Tirou-lhe o dinheiro e voltou a guardá-lo no próprio bolso. Peste. A mera palavra causou-lhe arrepios. Tinha ouvido Alfred falar nela. Dizia que tinha começado no exército e que, aquando da derrota dos senhores da guerra, os soldados tinham fugido para as suas aldeias, espalhando a doença como um rastilho de pólvora.   Capítulo 34Ele estava (...)
Parte II A partir de agora, pode-se dizer que a peste era a preocupação de todos nós. Até agora, por mais surpreendido que tenha sido com as coisas estranhas que aconteciam à sua volta, cada cidadão individualmente cuidava dos seus afazeres como sempre, na medida do possível. E sem dúvida  continuaria a fazer isso. Mas uma vez que os portões da cidade tinham sido fechados, todos nós percebemos que todos, inclusive o narrador, estavam no mesmo barco, por assim dizer, e cada um (...)
Capítulo 221957 Outros admitiam para si mesmos que sentiam um certo alívio com a ideia do fim de Spinalónga. A quantidade de homens e de mulheres doentes do outro lado da água sempre os tinha preocupado e, apesar de saberem que esta doença era menos contagiosa do que muitas outras, continuavam a temê-la como se fosse a peste bubónica. Estas pessoas mantinham a mente fechada ao facto de (...)
Arkady ArtamenkovAs horas mais significativas da vida de Arcady Alexandrovitch Artamenkov tinham tido lugar dois anos antes, quando a chuva fria, pesada e persistente enchia o milhão de buracos das ruas de Sampetersburgo com uma lama espessa e amarela e o ar sabia mais a corrosão do que era habitual. Atrasado, silencioso, por barbear chapinhara pelas ruas secundárias até ao café designado --- um lugar que abrira recentemente, um pouco acima da Estação da Moscovsky, perto da Casa da (...)
Isabella GloverDesta vez, pensou Isabella, seria ela a enviar uma mensagem de texto a Molly --- a caminho do Veselka --- só para verificar. Iria comprar chá e o que Molly quisesse, e levaria tudo para casa dela. Um pequeno almoço civilizado antes de trabalhar, algumas mentiras acerca da sua caldeira estar avariada --- e depois um banho (oh Deus, sim, um banho, em vez daquele chuveiro gota a gota) na magnífica banheira de Molly. E, oh, merda, era bom que se lembrasse de telefonar à (...)