Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

TEXTOS EM PROSA

Textos pessoais em prosa, citações de livros, letras de músicas, vídeos especialmente de "dance- music", comentários a certo tipo de imprensa etc.

TEXTOS EM PROSA

Textos pessoais em prosa, citações de livros, letras de músicas, vídeos especialmente de "dance- music", comentários a certo tipo de imprensa etc.

Plantas Espontaneas

IMG_0610.jpg

  1. Aceras anthropophorum - Orchidaceae
  2. Aegilops geniculata/trigo-de-perdiz - Poaceae
  3. Agave americana/piteira-azul - Agavaceae
  4. Agrimonia eupatoria/agrimonia - Rosaceae
  5. Agrostis capillaris - Poaceae/agrostinidae
  6. Agrostis curtisii/erva sapa - Poaceae/agrostinidae
  7. Allium roseum/alho-rosado - Alliaceae
  8. Alopecurus arundinaceus - Poaceae/alopecurinae
  9. Alopecurus pratensis - Poaceae/alopecurinae
  10. Amaranthus albus/bredo-branco
  11. Amaranthus blitoides/bredo
  12. Amaranthus bouchonii
  13. Amaranthus hypochondriacus
  14. Amaranthus retroflexus/moncos-de-peru
  15. Ammophila arenaria - Poaceae
  16. Anacamptis coriophora/erva-do-salepo - Orchidaceae
  17. Anacamptis pyramidalis/satirião-menor - Orchidaceae
  18. Anagallis arvensis/morrião-dos-campos - Myrsinaceae
  19. Andryala integrifolia/alface-dos-calcários - Asteraceae
  20. Anemone palmata/anémola - Ranunculaceae
  21. Anthyllis vulneraria - Fabaceae
  22. Anthemis tinctoria/camomila-amarela Asteraceae
  23. Antirrhinum orontium/ bocas-de-lobo - Plantaginaceae
  24. Arctotheca calendula/erva-gorda . Asteraceae
  25. Arisarum vulgare/candeias - Araceae
  26. Arrhenatherum elatius/ - Poaceae/aveninae
  27. Asphodelus fistulosus/abrótea-fina - Asphodelaceae
  28. Asphodelus ramosus/abrótea-da-primavera - Asphodelaceae
  29. Astragalus lusitanicus/alfavaca-dos-montes - Fabaceae
  30. Aster squamatus/mata-jornaleiros - Asteraceae
  31. Avena barbata/aveia-barbada - Poaceae/aveninae
  32. Avena fatua/aveia-doida - Poaceae/aveninae
  33. Barbarea vulgaris/erva-de-santa-bárbara - Brassicaceae
  34. Barlia robertiana/Salepeira - orchidaceae
  35. Bartsia trixago/flor-do-ouro - Orobanchaceae
  36. Bituminaria bituminosa/trevo betuminoso - Fabaceae
  37. Blackstonia perfoliata/erva-amarela - Gentianaceae
  38. Brachypodium pinnatum - Poaceae
  39. Brassica hirta-Sinapis alba/mostarda-branca - Brassicaceae
  40. Bromus diandrus/espigão - Poacaeae
  41. Bromus hordeaceus/Bromo-cevada - Poaceae/bromeae
  42. Bromus rubens - Poaceae/bromeae
  43. Calendula arvensis/erva-vaqueira - Asteraceae
  44. Campanula erinus/campainhas - campanulaceae
  45. Campanula rapunculus - Campanulaceae
  46. Campanula rotundifolia - Campanulaceae
  47. Capsella bursa-pastoris/erva-do-bom-pastor - Brassicaceae
  48. Cardamine hirsuta/agrião-menor - Brassicaceae
  49. Cardaria draba/erva-fome - Brassicaceae
  50. Carlina racemosa - Asteraceae
  51. Carlina vulgaris - Asteraceae
  52. Carpobrotus edulis/chorão-das-praias - Aizoaceae
  53. Carthamus lanatus/cardo-açafrão - Asteraceae
  54. Centhrantus calcitrapae/calcitrapa - Valerianaceae
  55. Centaurea calcitrapa/cardo-estrelado - Asteraceae
  56. Centaurea maculosa - Asteraceae
  57. Centaurea pullata/centaurea-parda - Astaeracae
  58. Centaurium quadrifolium/centauro - Gentianaceae
  59. Cephalanthera longifolia - Orchidaceae
  60. Chamaemelum fuscatum/margaça-de-inverno
  61. Chamaemelum mixtum-margaça - Asteraceae
  62. Chrysanthemum-Glebionis coronarium var. discolor - Asteraceae
  63. Chrysanthemum-Glebionis coronarium/pampilho-dobrado - asteraceae
  64. Chrysantemum-Coleostephus myconis/pampilho-de-micão - Asteraceae
  65. Chrysanthemum/ Glebionis segetum/pampilho-das-searas - Asteraceae
  66. Cichorium entybus/chicória-do-café - Asteraceae 
  67. Cistus albidus/roselha-grande - Cistaceae
  68. Cistus ladanifer/esteva - Cistaceae
  69. Cistus salviifolius/estevinha - Cistaceae
  70. Conium maculatum/sicuta - Apiaceae
  71. Convolvulus arvensis/corriola - Convolvulaceae
  72. Convolvulus tricolor/azuraque - Convolvulaceae
  73. Coronilla valentina/pascoinhas - Fabaceae
  74. Coronopus dydimus/mastruço - Brassicaceae
  75. Cotula australis - Asteraceae
  76. Crepis capillaris/almeirão-branco - Asteraceae
  77. Cruciata - Rubiaceae
  78. Cymbalaria muralis/cimbalária - Scrophulariaceae
  79. Cynara cardunculus/cardo-santo - Asteraceae
  80. Cynoglossum creticum/orelha-de-lebre - Boraginaceae
  81. Cynosurus echinatus/rabo-de-cão - Poaceae/cynosurinae
  82. Cyperus esculentus/juncinha
  83. Cyperus rotundus/junça
  84. Dactylis glomerata/Pé-de-galo - Poaceae/dactylidinae
  85. Dactylis polygama - Poaceae/dactylidinae
  86. Daphne gnidium/trovisco - Thymelaeaceae
  87. Datura stramonium/figueira-do inferno - Solanaceae
  88. Daucus carota/cenoura selvagem - Apiaceae
  89. Delphinum grandiflorum/ - Ranunculaceae
  90. Deschampsia cespitosa - Poaceae/airinae
  91. Diantus cintranus ssp. barbatus
  92. Digitaria insularis/capim amargoso - Poaceae
  93. Digitaria sanguinalis/milhã-digitada
  94. Dipcadi serotinum/Jacinto-bastardo - asparagaceae
  95. Dittrichia graveolens/erva-dos bálsamos - Asteraceae
  96. Dittrichaia viscosa/énula-peganhosa - Asteraceae
  97. Ecballium elaterium/pepino-de-são-gregório - Cucurbitaceae
  98. Echium plantagineum/soagem
  99. Elymus elymoides - Poaceae ?
  100. Elymus repens - Poaceae
  101. Epipactis lusitanica - Orchidaceae
  102. Equisetum Telmateia/Cavalina - Equisetaceae
  103. Equisetum variegatumcavalinha-variegada - Equisetaceae
  104. Erodium cicutarium/bico-de-cegonha - Geraniaceae
  105. Erodium malacoides/maria-fina - Geraniaceae
  106. Erodium moscatum/agulha-de-pastor-moscada - Geraniaceae
  107. Euphorbia helioscopia/erva-leiteira - Euphorbiaceae
  108. Euphorbia paralis - Euphorbiaceae
  109. Euphorbia peplus/trovisco - Euphorbiaceae
  110. Euphorbia rigida - Euphorbiaceae
  111. Fallopia convolvulus/corriola-bastarda
  112. Festuca gigantea - Poaceae/loliinae
  113. Galactites tomentosa/cardo-dos-picos - Asteraceae
  114. Galinsoga parviflora/erva-da-moda - Asteraceae
  115. Gennaria diphylla - Orchidaceae
  116. Geranium dissectum/bico-de-pomba - Geraniaceae
  117. Geranium molle/bico-de-pomba-menoer - Geraniaceae
  118. Geranium rotundifolium/geranio-peludo - Geraniaceae
  119. Gladiolus illyricus/espadana-dos-montes-das-folhas - Iridaceae
  120. Gynandriris sisyrinchium/lírio-roxo-pequeno - Iridaceae
  121. Halimium halimifolium - Cistaceae
  122. Halimium ocymoides - Cistaceae
  123. Herniaria glabra/erva-das-quebraduras - Caryophyllaceae
  124. Hypochaeris glabra/orelha-de-gato - Asteraceae
  125. Hypochaeris radicata/orelha-de-gato - Asteraceae
  126. Hirschfeldia incana/ineixa - Brassicaceae
  127. Holcus lanatus - Poaceae/airinae
  128. Hordeum murinum/cevada-das-lebres - Poaceae
  129. Hyacinthoides vicentina/jacinto-espanhol - Liliaceae
  130. Hyparrhenia hirta/palha-da-Guiné - Poaceae/andropogoneae
  131. Hypericum perfoliatum/hipericão-celheado - Hypericaceae
  132. Inula crithmoides - Asteraceae
  133. Iris albicans/lírio-branco - Iridaceae
  134. Jasione montana/botão-azul - Campanulaceae
  135. Juncus bufonius/junco-dos-sapos
  136. Lactuca serriola/alface-espinhosa - Asteraceae
  137. Lactuca vilinea - Asteraceae
  138. Lactuca virosa - Asteraceae
  139. Lagurus ovatus - Poaceae/aveninae
  140. Lamarckia aurea/escovinhas - Poaceae/dactylidinae
  141. Laphangium luteoalbum/perpetua-brava - Asteraceae
  142. Lavatera olbia - Malvaceae
  143. Limodorum abortivum/limodoro-mal-feito - Orchidaceae
  144. Linaria spartea - Plantaginaceae
  145. Linum bienne/linho-bravo - Linaceae
  146. Lobularia maritima/escudinha - Brassicaceae
  147. Lolium multiflorum/azevém - Poaceae/loliinae
  148. Lolium perenne/azevém - Poaceae/loliinae
  149. Lonicera implexa/madressilva-entrelaçada - Caprifoliaceae
  150. Lotus commutatusTrevo-de-creta - Fabaceae
  151. Lupinus angustifolia - Fabaceae
  152. Lupinus arboreus/tremoço-bravo - Fabaceae
  153. Lupinus micranthus/tremoço-cerdoso - Fabaceae
  154. Lythrum hyssopifolium
  155. Maburrium vulgare/erva-virgem - Lamiaceae
  156. Malcolmia littorea/golvinho-da-praia - Brassicaceae
  157. Margotia gummifera/bruco-fétido - apiaceae
  158. Matricaria recutita/camomila - Asteraceae
  159. Medicago ciliaris - Fabaceae
  160. Medicago hispida - Fabaceae
  161. Medicago lupulina/alfalfa-lupulina - Asteraceae
  162. Medicago orbicularis/luzerna orbicular - Fabaceae
  163. Medicago polymorpha - Fabaceae
  164. Medicago scutellata/luzerna-escudelada - Fabaceae
  165. Medicago truncatula - Fabaceae
  166. Medicago turbinata - Fabaceae
  167. Melilotus indica/Trevo-de-cheiro - Fabaceae
  168. Muscari comosum-Leopoldia comosa/jacinto-das cearas - Asparagaceae
  169. Myrtus communis/murta - Myrtaceae
  170. Nicotiana glauca/charuteira - Solanaceae
  171. Roripa nasturtium aquaticum/agrião-da-água - Brassicaceae
  172. Oenanthe crocata/embude - Apiaceae
  173. Oenothera biennis - Onagraceae
  174. Oenothera speciosa - Onagraceae
  175. Ononis ramosissima/joina-das-areias - Fabaceae
  176. Ononis repens- Fabaceae
  177. Ophrys apifera/erva-abelha - Orchidacea
  178. Ophrys bombyliflora - Orchidaceae
  179. Ophrys phryganae Orchidaceae
  180. Ophrys fusca/muscardo-fusco - Orchidaceae
  181. Ophrys lutea/erva-vespa - Orchidiaceae
  182. Ophrys speculum - Orchidaceae
  183. Orchis papilionacea/erva-borboleta - Orchidaceae
  184. Ornithogalum narbonense/Cebolinho-de-cor-branca - asparagaceae
  185. Orobanche aegyptiaca - Orobanchaceae
  186. Orobanche crenata/penacho - Orobanchaceae
  187. Orobanche minor/erva-toira-menor - Orobanchaceae
  188. Osyris alba/cassia-branca - Santalaceae
  189. Oxalis corniculata/erva-azeda- Oxalidaceae
  190. Oxalis pes-caprae/erva-pata - Oxalidaceae
  191. Pallenis spinosa/pampilho -espinhoso - Asreraceae
  192. Panicum repens/escalracho - Poaceae/paniceae
  193. Papaver hybridum/papoila-peluda
  194. Papaver roeas/papoila-das-seara - Papaveraceae
  195. Papaver somniferum/dormideira - Papaveraceae
  196. Parentucellia viscosa - Orobanchaceae
  197. Paronychia argentea/erva-prata - Caryophyllaceae
  198. Paspalum dilatatum - Poaceae/paniceae
  199. Paspalum paspalodes/graminhão - Poaceae/paniceae ?
  200. Phagnalon saxatil/alecrim-das-paredes - Asteraceae
  201. Phalaris arundinacea - Poaceae/phalaridinae
  202. Phalaris brachystachys/alpista-brava - Poaceae ?
  203. Phalaris canariensis/alpista - Poaceae/phalaridinae
  204. Phalaris minor/erva-cabecinha - Poaceae ?/phalaridinae
  205. Phalaris caerulescens/alpista azulada - Poaceae/phalaridinae
  206. Phalaris paradoxa ?/phalaridinae
  207. Phleum arenarium Poaceae ?/alopecurinae
  208. Phlomis purpurea/marioila-Lamiceae
  209. Picris echioides/raspa-saias - Asteraceae
  210. Picris spinifera/raspa-saias-espinhosa - Asteraceae
  211. Pistacia lentiscus/aroeira - Anacardiaceae
  212. Plantago arenaria - Plantaginaceae
  213. Poa annua/cabelo-de-cão - Asteraceae
  214. Polygonum aviculare/sempre-noiva - Polygonaceae
  215. Polygonum lapathifolium/mal-casada
  216. Polygonum persicaria/erva-pessegueira
  217. Polypogon monspeliensis/rabo-de-raposa - Poaceae/agrostinidae
  218. Pulicaria dysenterica/erva-das-desinterias - Asteraceae
  219. Raphanus raphanistrum ssp. microcarpus/saramago - Brassicaceae
  220. Rapistrum rugosum/aneixa - Brassicaceae
  221. Reseda alba/Reseda-branca - Resedaceae
  222. Reseda phyteuma - Resedaceae
  223. Rostaria cristata/erva -do-penacho - Poaceae/aveninae
  224. Rumex acetosa/vinagreira - Polygonaceae
  225. Rumex bucephalophorus/azedinha-de-cão - Polygonaceae
  226. Rumex crispus/labaça-crespa - Polygonaceae
  227. Rumex dentatus - Polygonaceae
  228. Rumex pulcher/labaça-sinuada - Polygonaceae
  229. Ruta chalepensis/arruda - Rutaceae
  230. Salvia sclareoides/salva-do-sul - Lamiaceae
  231. Satureja montana/Segurelha-das montanhas - Lamiaceae
  232. Scabiosa atropurpurea/saudades-roxas - Dipsacaceae
  233. Scolymus hispanicus/cardo-de-ouro - Astraceae/Cichorieae
  234. Scutelaria ovata - Lamiceae
  235. Sedum sediforme/erva-pinheira - Crassulaceae
  236. Serapias parviflora/serapião-de-língua-pequena - Orchidaceae
  237. Serapias strictiflora- Orchidaceae
  238. Setaria viridis/pega-saias - Poaceae/paniceae
  239. Silene dioica - Cayophyllaceae
  240. Silene galica/cabacinha - Caryophyllaceea
  241. Silene vulgaris/erva-traqueira - Caryophyllaceae
  242. Silybum marianum/cardo-de-santa-maria - Asteraceae/cardueae
  243. Simethis planiflolia/Cravo-do-monte -Xanthorrhoeaceae
  244. Sinapis alba/mostarda-branca - Brassicaceae 
  245. Sinapis arvensis/mostarda-dos-campos
  246. Sisymbrium officinale/rinchão - Brassicaceae
  247. Smilax aspera/salsaparrilha - Smilacaceea
  248. Solanum elaeagnifolium - Solanaceae
  249. Smyrnium olusatrum/salsa-de-cavalos - Apiaceae
  250. Solanum linnaeanum/tomateiro-do-diabo - Solanaceae
  251. Solanum nigrum/erva-moira - Solanaceae
  252. Sonchus asper/serralha-de-espinho - Asteraceae
  253. Sonchus oleraceus/serralha-branca - Asteraceae
  254. Sorghum halepense/sorgo-bravo - Poaceae/andropogoneae
  255. Spergula arvensis/esparguta - Caryophyllaceae
  256. Thymus vulgaris/Tomilho - Lamiaceae
  257. Tolpis barbata/olho-de-mocho - Asteraceae
  258. Tolpis staticifolia - Asteraceae
  259. Trifolium campestre/trevo-amarelo - Fabaceae
  260. Trifolium repens/trevo - Fabaceae
  261. Trifolium tomentosum/trevo tomentoso - Fabaceae
  262. Trisetum paniceum - Poaceae/aveninae
  263. Tropaeolum majus/chagas - Tropaeolaceae
  264. Tuberaria guttata - Cistaceae
  265. Ulex densus/tojo-gatunho - Fabaceae
  266. Urginea matitima/cebola-albarrã - Asparagaceae
  267. Utospermum picroides/leituga-amarga - Asteraceae
  268. Veronica persica - Plantaginaceae

Rosaceae

IMG_0165.jpg

Agrimonia eupatoria/agrimónia
Chaenomeles japonica/marmeleiro do Japão
Cotoneaster comptus
Cotoneaster conspicuus
Cotoneaster horizontalis
Cotoneaster lacteus
Cotoneaster microphyllus
Cotoneaster pannosa
Cotoneaster sacilifolius
Crataegus monogyna/pilriteiro
Crataegus monoguna ssp.brevispina
Duchesna indica
Eriobotrya japonica
Filipendula ulmaria/rainha-dos-prados
Fragaria vesca
Kerria japonica
Malus pumila/macieira
Marcetelia moquiniana
Osteomeles schwerinae
Photinia fraseri
Photinia nussia
Potentilla ercta/tormentilha
Potentilla reptans
Prunus blireiana
 Prunus ceralifera
Prunus caroliniana
Prunus dulcis/amendoeira
Prunus laurocerasus
Prunus lusitanica
Prunus serratifolia
Prunus spinosa/abrunheiro sivestre
Prunus virginiana
Pyracantha angustifolia
Pyracantha crenulata
Pyracantha coccinea
Pyracantha X watereri
Rubus ulmifolius
Quillaja brasiliensis
Rhaphiolepis umbellata
Rhphiolepis X delacourii
Rhaphiolepis indica
Rhodotypes scandens
Rosa rugosa
Rosa watsoniana
Rosa spp.
Sanguisorba officinalis/sanguisorba oficinal
Sorbaria tomentosa
Sorbus domestica/sorveira
Sorbus torminalis/mostajeiro
Spiraea X 'arguta'
Spiraea X bumalda
Spiraea cantoniensis  

 

Os Panfílovtses

pavlovits.jpg

 A verdade e a invenção sobre os que, em 1941, detiveram os tanques inimigos às portas da capital

Altas horas da noite, em meados de Novembro de 1947, vieram os "tchequistas"1 buscar o herói-panfílovets 2, Ivan Dobrobábin, que, depois da guerra, trabalhava como director de uma fábrica de açúcar na cidade Kant em Kirguiz. Irromperam pelo apartamento, mostraram a ordem de prisão, assinada pelo procurador militar da RSS da Ucrânia.

-- Por que me prendem, irmãos? -- Apenas conseguiu Ivan Evstafievitch perguntar ao operacional seu conhecido, com o qual mais de uma vez esteve sentado numa mesa festiva.

 E imediatamente levou com um punho nos dentes.

-- Que irmão sou eu a ti, traidor?! 

Fecharam as algemas, arrastaram o herói para o voronók --  veículo para transporte de prisioneiros. Logo no dia seguinte foi transferido para Khar'kov, onde teve início a investigação do processo, do qual era figurante principal o próprio marechal da vitória, Georgy Zhukov.

 A proeza nas páginas dos jornais

Não houve durante a Grande Guerra Patriótica soldados mais famosos do que os panfilovtses. Sobre a façanha dos russos e dos kazakhs 3 que morreram nas trincheiras perto de Moscovo, mas que não deixaram entrar os tanques alemães na cidade, escreveram-se canções e foram compostos poemas, em honra dos soldados foram dados nomes a ruas e praças das cidades. Ao mesmo tempo não cessava um murmúrio sobre as sepulturas dos heróis: "Mentiras toda esta história, tema de propaganda ..."  

Em primeiro lugar sobre a façanha dos Panfílovtses --- soldados da 4ª Companhia do 2º Batalhão do Regimento 1075 da 8ª Divisão de atiradores da guarda --- escreveu, no dia 27 de Novembro de 1941, o correspondente do jornal "Estrela Vermelha", Vasily Koroteev. Durante o interrogatório, ele revelou: «Nos dias 23-24 de Novembro de 1941, eu, juntamente com o correspondente militar do jornal " Komsomolskaya Pravda " Chernyshev, fui à sede do 16º Exército. Ao sair do Estado Maior do Exército encontrámos o Comissário da 8ª divisão de Panfílov, Yegorov, que falou sobre a situação extremamente difícil na frente e disse que o nosso povo estava a lutar heroicamente em todos os sectores. Em especial, Egorov deu o exemplo da batalha heróica de uma companhia contra os tanques alemães:   À posição da companhia chegaram 54 tanques - a companhia deteve-os, alguns foram destruídos. No relatório não vinha indicado o número de combatentes da companhia que morreram nesta batalha, e nem se mencionavam os seus apelidos.

Quando cheguei a Moscovo, informei da situação o editor do jornal "Krasnaya Zvezda", Ortenberg, narrei a luta da companhia contra os tanques do inimigo. Ortenberg perguntou-me quantas pessoas é que havia na companhia. Respondi que, pelos vistos, o efectivo da companhia não estava completo - cerca de 30-40 homens; Também lhe disse que dois desses homens se haviam revelado traidores.  

Eu não sabia que estava a ser preparado um artigo de fundo sobre este assunto, mas Ortenberg chamou-me mais uma vez e perguntou-me quantos homens estavam na companhia. Respondi-lhe que cerca de 30 homens. E deste modo surgiu o número de combatentes - 28 homens ».

 Nesse tempo faltavam heróis - num país dominado pelo pânico, todos apenas esperavam que os alemães, em breve, tomassem Moscovo. Para inspirar os soldados era necessário um simples exemplo de heroísmo em massa.  

E na edição seguinte do "Estrela Vermelha" foi publicado o artigo de fundo "O Testamento dos 28 Panfílovtses", no qual o autor, secretário literário da redacção, Alexander Krivitsky, como que antecipando a ordem de Stalin "Nem um passo atrás", descreveu coloridamente a cena do represália sobre os traidores: os soldados, que propuseram render-se aos alemães terão sido fuzilados pelos seus próprios camaradas de armas. E até à morte mantiveram a defesa.  

A notícia sobre os heróis logo se espalhou por todos os jornais soviéticos.  

No dia 22 de janeiro de 1942 o "Estrela vermelha" publica um novo ensaio de Krivitsky "Sobre os 28 heróis tombados", em que pela primeira vez são indicados os apelidos dos soldados perecidos.  

A 21 de julho de 1942 esta lista, elaborada com a participação do instrutor político da 8ª Divisão, juntou-se ao texto do decreto do Presidium do Soviete Supremo da URSS sobre a concessão a todos os Panfílovtses de títulos de Heróis da União Soviética. 

Um mês mais tarde, no hospital, foi encontrado um dos Panfilovtses supostamente falecidos - Gregory Shemyakin. Depois dele, apareceu também um outro Panfilovets sobrevivente, Dobrobabin Ivan, que não era um herói tal como o descreveu o "Estrela Vermelha".  

Como foi?
Estão perfeitamente errados os que consideram a façanha dos heróis-panfílovtses uma mentira. Tudo existiu na realidade - não só a batalha, mas também os tanques alemães e os heróis mortos. Somente tudo foi um pouco diferente.  

Conforme estabelecido pela verificação do procurador militar da Frente de Kalinin, 4ª Companhia Regimento 1075º durante duas semanas ocupou posições de defensiva às portas de Nelidovo - Dubosekovo - Petelino. A 16 de novembro de 1941 unidades da Wehrmacht lançaram uma ofensiva.

E, como demonstrado pela investigação do comandante de regimento Ilya Caprov, os soldados soviéticos lutaram heroicamente: logo no primeiro dia de combates nas imediações de Dubosekovo morreu uma companheira inteira - mais de 100 combatentes. Feridos, contundidos, praticamente só com as mãos , o dia inteiro, eles repeliram os ataques dos tanques alemães. Os combatentes do exército vermelho tinham apenas algumas armas anti-tanque, granadas de mão e coquetéis Molotov. Contra os tanques, estes meios são ineficazes. 

O regimento foi forçado a retirar-se para posições de reserva, mas dois dias depois os alemães foram rechaçados. E a 20 de Novembro de 1941, os nossos soldados reocuparam as linhas abandonadas.

E, como testemunhou o coronel Kaprov, durante os combates foram realmente aniquiladas duas dezenas de tanques do inimigo - se bem que este número incluia todos os tanques que avançaram de Nelidova até Petelin. Assim como nas posições do 2º Batalhão, de que fazia parte a 4ª Companhia, foram destruídos não mais do que dez tanques. E isto, aliás, é uma cifra muito impressionante - especialmente se levarmos em conta que à disposição do batalhão não havia nenhuma artilharia. Apenas quatro armas anti-tanque , granadas e cocktails Molotov.

O HERÓI de Khalkhin-Gol

Ivan Dobrobábin nasceu na aldeia de Perekop, na província de Kharkov. Depois da escola, trabalhou na construção da Fábrica de Tratores de Kharkov e simultaneamente estudou para serralheiro. Depois, por recrutamento do Komsomol foi para a construção pan-unionista na Ásia Central - construir o Canal Chu.  

Em 1937, ele foi recrutado para o exército, combateu em Khalkhin-Gol. Pelo desbaratamento de um ataque dos japoneses o metralhador Dobrobabin recebeu a medalha "De Bravura".

Tendo regressando da guerra, tornou-se fotógrafo na pequena cidade quirguiz de Tokmak. E em 1941 foi novamente recrutado para o exército - para a divisão 316ª (mais tarde a 8ª da Guarda) do general Panfilov. 

Aos arredores de Moscovo os Panfilovtses vieram parar já em agosto de 1941: os soldados da 8ª Divisão, defenderam Volokolamsk, depois lentamente retiraram-se até mesmo ao desvio de Dubosekovo que fica a 142 quilômetros da capital.

André Kudryakov , chefe da unidade de pesquisadores de Rostov "frente - Mius-", que se reuniu com Ivan Dobrobabin, escreveu o relato deste sobre a batalha:

"Os alemães lançaram-se ao ataque ao amanhecer, mas nós, certamente, já não estávamos a dormir... Em tais momentos não estamos para dormir ...Olhei: pelo campo avançavam cerca de cem faxistas de camuflado branco e capacete. Vinham não em cadeia, mas sim em trios. Um avança, e dois observam, cobrem-no. Transmiti à linha :. "Fogo ao meu comando. Que se aproximem mais de perto. ". Assim que os nazistas ficaram a cem passos, abri fogo. Os alemães colaram-se ao solo, começaram a afastar-se das nossas posições rastejando. 

Não tinham os nossos soldados tido tempo de se regozijar pela primeira vitória, quando se ouviu o rugido de motores. Depois, num horizonte de névoa matinal, apareceram as silhuetas dos tanques. Um, depois outro, um terceiro. Cinco, dez. Bastaram aos alemães cinco minutos para chegarem mesmo junto ao parapeito da nossa trincheira. E eis que para o primeiro tanque, que irrompeu um pouco para diante, voaram granadas. Uma, duas - não alcançam. Os nossos atiradores anti-tanque atingiram um tanque. Um tiro certeiro destruiu-lhe a placa da lagarta. O tanque começou a contorcer-se. E neste momento atiraram-lhe várias granadas e garrafas. O tanque explodiu, da torre saiu fumo às bafuradas.                                                                                                                                                                                                                                     

 

Apontamentos

1 - Tchekist: Funcionário da Comissão Extraordinária pan-russa de Combate à Contra-Revolução e sabotagem ...

2 - Panfílovtses são combatentes da 316ª Divisão de infantaria ( posteriormente 8ª da Guarda) formada na cidade de Alma-Ata da RSS do Cazaquistão e na cidade Frunze da RSS Quirguiz, sob o comando do comissário militar da RSS Quirguiz, Major General Ivan Panfílov, que participaram, em 1941, na defesa de Moscovo.

 

3 - kazakhs: Povo turco, população indígena do Cazaquistão.

O HOMEM POLÍTICO DIZ SEMPRE O QUE LHE CONVÉM E NÃO O QUE É CONFORME COM A REALIDADE!

Impunidade sempre houve no futebol português, camuflada, insinuada, mais intensa no regime anterior, mais esbatida no regime democrático... Mas nos dias que correm ela ergue-se arrogante, assume uma postura como nunca se vira: tem rosto e assinatura... A impunidade da CD da liga de clubes que viola a lei das escutas telefónicas; a impunidade da FPF que se escuda num documento populista sem qualquer valor jurídico e invoca o estatuto UTILIDADE PÚBLICA para sancionar a condenação ilegal de um presidente de clube, em cujo processo a única violação da lei comprovada é cometida pelo próprio orgão que julga e condena... À impunidade escondida dos mesmos de sempre junta-se a impunidade da associação a que pertencem...

A MATEMÁTICA!

As entidades competentes continuam a relacionar, falaciosamente, o péssimo desempenho dos portugueses na disciplina de matemática com  os métodos de ensino desta matéria.
A matemática, em si, é um conjunto de operações aritméticas, regras, axiomas, postulados etc., ou seja, tudo aquilo que é possível ensinar, e isso sabe a maioria dos alunos que obtêm maus resultados neste campo.
A dificuldade surge na resolução de problemas quer estes sejam cálculos matemáticos, quer sejam situações em que é necessário tomar decisões correctas, ou seja, tudo o que depende do raciocínio, e a capacidade de raciocinar com facilidade é um talento nato, à semelhança dos talentos para o canto, para a pintura, para a escrita etc.

O que se passa, hoje, no desporto nacional é a prova acabada  da incapacidade que os portugueses, em geral, têm para raciocinar bem:

Uma equipa, que há longos anos tem tido desempenhos medíocres em todas as competições em que tem participado, não vai inverter a situação com uma hipotética presença na liga dos campeões europeus;

Por outro lado, um clube, que há decadas tem vindo a alcançar êxitos notáveis em qualquer das provas em que participa, não vai perder o rumo se, eventualmente, ficar, um ano, fora das competições europeias;

Já a eventualidade de a equipa mais bem apetrechada para arrancar pontos para o "Ranking" da UEFA não participar nas competições desta organização irá, no futuro, não só reduzir o número de equipas portuguesas participantes, mas também as entradas directas nas provas  europeias.

Na resolução duma equação algébrica do 2º grau há duas raízes: uma serve à solução da equação a outra não. Os responsáveis do Benfica obtaram por esta última... 

LONGOS JEJUNS

Até hoje não vi nem tive conhecimento de que, nos jogos disputados pelo F. C. P., ocorresse alguma coisa que não ocorra em quaisquer jogos em qualquer país, excepto no Benfica - CUF, dirigido pelo árbitro Inocêncio Calabote, na última jornada de um dos parcos campeonatos que o F. C. P. venceu em cerca de 40 anos, período esse em que este clube foi o maior, pois que, num país pobre como Portugal, a verdadeira grandeza está nos longos jejuns, sejam eles azuis, vermelhos ou verdes, dos quais, aliás, o F. C. P. parece ter ficado enjoado... Após os 120 minutos de disparates do sr. Malquerença, vivo a pensar numa vitória no próximo jogo, para não lhe perdermos o hábito. Um pequeno descuido e, de um dia para o outro, já estamos num jejum de 3 ou 4 anos...

SERÁ CLUBITE?

Às vezes, a clubite leva-nos a deturpar a verdadeira essência das coisas. Então os prestigiados jornais de grande tiragem Record e A Bola dariam, todos os dias, destaques de primeira página a assuntos sobre o SLB e o SCP se estes dois clubes não pusessem acima de tudo o "fair-play" e a verdade desportiva e não fossem um exemplo a seguir pelos clubes de todo o mundo, excepto, claro, os grandes, porque esses não podem ser uns derrotados logo à partida? Não irei mais além do que continuar a ver a primeira página destes jornais, expostos na rua, que me entra pelos olhos dentro, o que é, não voltarei a indignar-me com os destaques, os quais, antes de esta reflexão profunda, me pareciam mesquinhos, promíscuos, subjectivos, irracionais, alienantes, catalisadores e aproveitadores da natural animosidade dos derrotados morais pelos vencedores principalmente inequívocos. E mesmo que assim não fosse? Se os que até pagam para ler não se importam que os tomem por tolos...